logo

Amigos da criança

“Como uma criança, amar”

Casa de oração Fé e Amor
Tu me alegras, SENHOR, com o Teu feito, as obras de Tuas mãos me levam a cantar de alegria. Salmo 92.4.

A rocha

Paira a águia no alto do céu,
o caçador e a matilha completam seu círculo,
Oh, revolução incessante de configuradas estrelas!
Oh, perpétuo curso de estações determinadas!
Oh, mundo do estio e do outono, de morte e nascimento!
O infinito ciclo das ideias e dos atos,
infinita invenção, experimento infinito,
traz conhecimento da mobilidade, mas não da quietude;
conhecimento da fala, mas não do silêncio;
conhecimento das palavras e ignorância da Palavra.
Todo o nosso conhecimento aproxima-nos de nossa ignorância,
toda a nossa ignorância aproxima-nos da morte,
mas a aproximidade da morte não nos aproxima de Deus.
Onde está a vida que perdemos em viver?
Onde está a sabedoria que perdemos no conhecimento?
Onde o conhecimento que perdemos em informação?
Os ciclos celestiais em vinte séculos
afastam-nos de Deus e aproximam-nos do pó.

(T. S. Eliot)
por Charlles Campos

No meio do tempo do desencanto representado por este poema,
uma voz se levanta e se faz ponte entre o Céu e a Terra

Allan Kardec

Credo Espírita (Allan Kardec)
Esta é a rocha onde esta erguida a casa AMIC.

allan

Crer num Deus Todo-Poderoso, soberanamente justo e bom; crer na alma e em sua imortalidade; na preexistência da alma como única justificação do presente; na pluralidade das existências como meio de expiação, de reparação e de adiantamento intelectual e moral; na perfectibilidade dos seres mais imperfeitos; na felicidade crescente com a perfeição; na equitativa remuneração do bem e do mal, segundo o princípio: a cada um segundo as suas obras; na igualdade da justiça para todos, sem exceções, favores nem privilégios para nenhuma criatura; na duração da expiação limitada à da imperfeição; no livre-arbítrio do homem, que lhe deixa sempre a escolha entre o bem e o mal; crer na continuidade das relações entre o mundo visível e o mundo invisível; na solidariedade que religa todos os seres passados, presentes e futuros, encarnados e desencarnados; considerar a vida terrestre como transitória e uma das fases da vida do Espírito, que é eterno; aceitar corajosamente as provações, em vista de um futuro mais invejável que o presente; praticar a caridade em pensamentos, em palavras e obras na mais larga acepção do termo; esforçar-se cada dia para ser melhor que na véspera, extirpando toda imperfeição de sua alma; submeter todas as crenças ao controle do livre-exame e da razão, e nada aceitar pela fé cega; respeitar todas as crenças sinceras, por mais irracionais que nos pareçam, e não violentar a consciência de ninguém; ver, enfim, nas descobertas da Ciência, a revelação das leis da Natureza, que são as leis de Deus: eis o Credo, a religião do Espiritismo, religião que pode conciliar-se com todos os cultos, isto é, com todas as maneiras de adorar a Deus. É o laço que deve unir todos os espíritas numa santa comunhão de pensamentos, esperando que ligue todos os homens sob a bandeira da fraternidade universal. Com a fraternidade, filha da caridade, os homens viverão em paz e se pouparão de males inumeráveis, que nascem da discórdia, por sua vez filha do orgulho, do egoísmo, da ambição, da inveja e de todas as imperfeições da Humanidade.

Revista Espírita, no.12 de 1868, Allan Kardec - Fragmentos do discurso de abertura na sessão anual da sociedade de Paris,
1º de novembro de 1968 (5 meses antes de retornar à pátria eterna)

A religião do futuro
AMIC: Missão e o Conceito de ALTERIDADE

A Missão da AMIC está dentro do grande contexto histórico e religioso do Cristianismo que compreende a religião como “religare” – religação - e esta como relacionamento com Deus, e este como relacionamento com o próximo. O Cristianismo, em suas origens, retrata o quadro de miséria e dor de uma população marginalizada e sacrificada a extremos. Poderíamos chamá-la de “abaixo da linha da miséria”. Este é o leit-motiv da existência da AMIC. E, trazendo essa essência para a ciência sociológica, encontramos o paradigma da alteridade, em Lévinas, Emmanuel, judeu, vivendo as dores da guerra e a conseqüente perda de referência da pátria, da cidadania, e da constelação famíliar. Também podemos dizer que a AMIC tem no seu eixo uma confluência de seres em êxodo, com o profundo sentimento exodal na alma, sem raízes – ou desenraizados pela miséria. Vivem o dramático sentimento de perda oriundo dessa guerra surda da fome e da miséria que dizima mais que uma guerra, sem, no entanto o barulho das bombas, e que leva o homem a não mais perceber-se como sujeito capaz de não só fazer a história, mas de também e, sobretudo, transformá-la. O sentimento de perda leva a um estado de soterramento e este conduz o ser humano ao sentimento de impotência diante das circunstâncias adversas, culminando nas duas formas de reações: passiva (adoençamentos morais – prostituição e dependência química e/ou psicofísicos – patologias do corpo e da mente) ou ativa (criminalidade; e é altíssimo o índice de criminalidade no Município de Campinas como reatividade criminosa em resposta à exclusão social).

A missão da AMIC, tem como norte o conceito de Alteridade do instrumental de Emmanuel Lévinas um maior aprofundamento na criação de sua Carta Régia e maior ênfase na divulgação dessa delicada arte humana de tecer pontes entre continentes separados.

Missão AMIC: Ser-para-o outro – Alteridade – com Desinteresse

O que chamamos de Missão AMIC, mais especificamente? É a ação amiga em torno do sofrimento – compreendendo a arte da amizade como a sublime arte de ser solidário não apenas por dever de consciência, mas por amor, por entrelaçamento afetuoso com a rede do sofrimento humano, dentro das premissas do ser comprometido com o outro, desinteressadamente, como escreve Emmanuel Lévina em seu tratado filosófico-sociólógico Da Existência ao Existente: “Para romper a clausura deste haver impessoal, não basta pôr-se como consciência que pensa, pois o pôr-se a si mesmo e por si mesmo é ainda a imanência do mesmo na condição impessoal. Para sair da indiferença (o il y a: impessoalidade, a exclusão do outro, o silêncio do nada ou do inexistido, o mundo alheio – o outro – inexiste)) será necessário ao eu depor-se, e a única alternativa que resta para tanto é ser-para-o outro; a deposição da soberania pelo eu é a relação social com outrem des-inter-essada, .... Ser para o outro significa a responsabilidade ética por ele, que permite ao eu superar o rumor anônimo e “insignificativo do ser.” Imbuída desse ideal, a AMIC tem nele sua missão: ser para o outro, desinteressadamente (Alteridade).

Desse constructo filosófico-sociológico (o da Alteridade), a Diretoria AMIC vem construindo o seu ideal pedagógico: Uma Pedagogia Amic, uma Pedagogia Amiga da Criança, visando criar um mundo novo a partir dos paradigmas da simultaneidade: ao assistir somos assistidos, ao educar, educamo-nos.